quinta-feira, 25 de outubro de 2012

A importância da matemática no dia-a-dia



20 situações do cotidiano em que usamos a matemática:

·          Ao pagar, saber a quantidade de dinheiro dar e saber se tem troco e quanto.
·         Nos folhetos de supermercado, onde mostra o valor do produto, se caso esteja em oferta eles colocam a porcentagem de desconto.
·         Pagar contas, receber salário, os descontos na conta bancária.
·         Em uma receita culinária, onde são selecionados os produtos certos. As frações e números que representam a quantidade dos ingredientes.
·         Cálculos em obra de alguma construção, na planta do imóvel. A quantidade de funcionários para a obra.
·         No futebol, soma de gols, ou seja, do placar e o tempo do jogo.

·         No sitio quando se têm vários animais, controle dos animais para não perder nenhum deles. Contagem dos ovos da galinha. Das frutas colhidas.

·         Placas nas estradas, onde são mostrados os quilômetros a serem percorridos, quantos quilômetros faltam para chegar ao destino.
·         Na padaria, quantidade de pãezinhos, ou as gramas de alguns outros alimentos desse comercio.
·         Na lista de material escolar, mostra as quantidades de cada item pedido.
·         Na dosagem de algum remédio, quantidade de gotas a serem ministradas.
·         Para saber as horas.
·         Para saber a nota da escola, quando o conceito é de: 0 á 10.
·         Para ler um livro, saber em que página do livro parou, quantas páginas faltam.
·         Quando se usa o telefone, e digita o número da outra pessoa no telefone.
·         Para fazer algum investimento no banco, saber a taxa de juros.
·         Para fazer gráficos.
·         Na confecção de algum trabalho manual, onde se utilize a régua e os centímetros.
·         Quando se compra roupa ou sapato, número de roupas e calçados.
·         Para digitar os minutos no microondas.
Duas situações que a professora pode trabalhar em sala de aula:
1° Situação:
Nos folhetos de supermercados, onde mostra o valor dos produtos.
 
2° Situação:
Ao pagar, saber a quantidade de dinheiro dar e saber se tem troco e quanto.
 
Brincadeira de Mercadinho:
 
Faixa Etária:
           De seis a oito anos, essa atividade é indicada para as series iniciais da escola, ou seja, primeiro e segundo ano.
 
Proposta
A proposta é montar um mercadinho, primeiro usando a primeira situação, a professora deve pedir que as crianças tragam para sala de aula vários folhetos de supermercados com os preços dos produtos. Ela deve sugerir na roda de conversa que os alunos observem e leiam os preços dos produtos que estão no folheto, a professora deve prestar atenção as estratégias de leitura e o diálogo entre eles nesse momento. Depois ela deve desafiar os alunos a explicar:
 
-Como sabem que o número escrito no folheto representa dinheiro?
-Os preços dos produtos são todos iguais?
-Como a gente sabe que um produto é mais caro que o outro?
 
A professora deve propor que recortem e colem os produtos do folheto, separando o que são alimentos e limpeza. Depois organizem uma tabela usando os critérios de classificação utilizados no supermercado para organizar os produtos.
 
Exemplo de panfleto de mercado, com preço dos produtos:
 
Depois desse primeiro passo, a professora deve montar um mercadinho na escola, com embalagens de alimentos vazia, como caixas de sucos, leites, pasta de dentes, salgadinhos e tudo que ela conseguir, colocando o preço nas embalagens dos produtos.
Montado o mercadinho, ela separa as crianças em grupo de três crianças e as convida para as crianças irem fazer compras no mercado, ela deve dar dinheiro de mentira para os grupos, que com o dinheiro limitado deve saber o que consegue comprar com aquele dinheiro, pagar e saber o troco, ela pode fazer um caixa, com uma maquina registradora de brinquedo, e revezar quem vai ficar como operador de caixa.
 
Modelo de algumas cédulas de mentira, para a realização da atividade:


Objetivos disciplinares
 
•Utilizar-se da recreação para aperfeiçoar o aprendizado da soma;
•Ensinar a trabalhar em grupo e decidir em grupo;
•Utilizar a troca de conhecimento dos próprios alunos com seus colegas de classe;
•Ajudar o aluno a perceber a matemática nas coisas simples do dia-a-dia;
•Mostrar a necessidade de saber efetuar operações de soma e subtração. 
•Uso e função do dinheiro na sociedade
•Contagem de cédulas a partir do valor que possuem
 
Objetivos interdisciplinares
 
•Estimular o aprendizado com o dia-a-dia;
•Estimular a criatividade;
•Ajudar o aluno a perceber o mundo como um todo;
•Mostrar de forma simples como é fácil utilizar a soma e a subtração na hora de comprar objetos e também na hora de dar o troco para o cliente;
•Ensinar a responsabilidade de corrigir os exercícios dos colegas e passar confiança para eles.
 
Avaliação da atividade
A avaliação é feita pela verificação da participação, os registros, as estratégias usadas pelas crianças durante a realização das atividades em relação aos seguintes aspectos:
•Percebem a organização dos produtos no supermercado.
•Identificam os preços dos produtos comprados no supermercado.
•Usam o dinheiro para vivenciar situações de compra e venda.
Registros da atividade
 
 
Conclusão do grupo
 
A educação infantil é um espaço de certa forma privilegiado para noções básicas de conteúdos matemáticos. Para elas, o ensino dessa disciplina deve ter a finalidade de construir um saber que capacite as crianças a pensar e a refletir sobre o seu cotidiano, sua realidade social, para, dessa forma, intervir no intuito de transformá-los. Isso apenas será possível se os mesmos encontrarem motivo e razão para aprender matemática. E, mais que isso, gostar de aprender!
Segundo Piaget (1978), “O conhecimento lógico-matemático é uma construção que resulta da ação mental da criança sobre o mundo, construído a partir de relações que a criança elabora na sua atividade de pensar o mundo, e também das ações sobre os objetos”.
Na educação infantil a criança aprende a comparar, a medir o que é maior, pequeno, alto, baixo, menor e essas aprendizagens ele traz para seu dia a dia. Através desse método que se propiciam trocas de informações e situações que favorecem o desenvolvimento dos alunos, podem criar e aprender noções e conceitos matemáticos através de atividades lúdicas que atrai e explora mais a atenção e reflexão das crianças.
 A atividade lúdica representada pelas brincadeiras de faz-de-conta, jogos que possuem regras, como os de tabuleiros ou como aqueles que representam a sociedade, jogos didáticos, corporais, jogos tradicionais, tudo isso amplia os conhecimentos infantis.
Na brincadeira proposta “Mercadinho” os alunos tiveram uma vivencia com os números, com a operação de soma e subtração, o que possibilitou e estimulou melhor a aprendizagem.
Através de brincadeiras pode-se Iniciar a aprendizagem de conceitos de longe, perto, dentro, fora, em cima, em baixo, atrás, na frente, ao lado, dentro, fora, cheio, vazio; discriminar na criança o sentido de ontem hoje e amanhã; estimular o uso do raciocínio da criança; classificação e nomeação de objetos pelas cores primárias (azul, amarelo e vermelho), formas (círculo, triângulo e Quadrado), tamanho (grande e pequeno) e quantidade (1 a 9); nomear e identificar iguais e diferentes; conceitos de lateralidade: todo, dentro/fora, grande/pequeno, cheio/vazio, grosso/fino, muito/pouco; organização espacial: antes/durante e depois, hoje/ontem/amanhã; Jogos de raciocínio (quebra-cabeça e jogos de encaixe); Classificar e nomear objetos pela cor, forma (círculo, triângulo e quadrado), tamanho e quantidade; Nomear iguais e diferentes.
O grupo ficou satisfeito com o resultado da atividade proposta. Percebemos que é importante para as crianças na construção gradual do seu conhecimento, aprendendo aos poucos as noções matemáticas, o uso e função do dinheiro na sociedade, a contagem de cédulas a partir do valor que possuem, ajudou o aluno a perceber a matemática nas coisas simples do dia-a-dia, mostrou a necessidade de saber efetuar operações de soma e subtração, entre outras coisas.
As conclusões, que pudemos inferir da atividade vivenciada é a de ressaltar a importância de se trabalhar a linguagem matemática de forma que envolva as situações de sala de aula, as vivências e experiências das crianças também fora da escola.
Em síntese, consideramos que a experiência realizada foi muito boa e oportunizou as crianças não só incentivos e construção lógica da linguagem matemática, como também outras áreas como desenvolvimento motor com atividades lúdicas que despertam a atenção e interesse dos alunos.
O ensino de matemática nos anos iniciais tem mostrado grande desenvolvimento e interesse das crianças em aprender numerais, quantidades, formas e assim o professor tendo que ampliar sua abordagem metodológica para enriquecer o conhecimento infantil.
Pudemos verificar que uma das formas de viabilizar o ensino da matemática na Educação Infantil é através das atividades lúdicas, envolvendo jogos e brincadeiras, como a brincadeira que foi proposta, o mercadinho, pois as mesmas propiciam trocas de informações, criam situações que favorecem o desenvolvimento da sociabilidade, da cooperação e do respeito mútuo entre os alunos, o reconhecimento que as atividades corporais podem se constituir numa forma das crianças aprenderem noções e conceitos matemáticos a partir da Educação Infantil.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário